Publicidade

Gerente do Corinthians se manifesta após tentativa de invadir sala com equipamentos na Arena

Alessandro Nunes, curiosamente, também jogou no Grêmio na carreira

Publicidade

O intervalo de Grêmio 0x1 Corinthians, na Arena, neste domingo, pelo Brasileirão, ficou marcado pela tentativa do gerente de futebol do time paulista, Alessandro Nunes, em invadir uma suposta sala do VAR. Acompanhado de seguranças do clube, ele chegou a correr e forçar a porta do local, antes que um tumulto acontecesse.

A grande irritação se deu pela não marcação de um pênalti de João Pedro em Matheus Bidu logo no começo da partida – na sequência da jogada, Bruno Méndez foi expulso por entrada forte em Besozzi. Porém, a sala do comando do VAR dos jogos do Brasileirão fica na CBF, no Rio de Janeiro. E o local que Alessandro tentou invadir tinha apenas equipamentos de transmissão.

“Tenho que pedir desculpas porque um dos nossos seguranças pegou o telefone de um companheiro de vocês. Indevidamente, assim como eu, ele estava em um ambiente não permitido. Assim como eu. Indevidamente eu me dirigi até a área do VAR para protestar o absurdo de não ter auxiliado o árbitro de campo. Foi uma vergonha o que ele fez. Estou errado? Sim. Preciso ser penalizado? Sim. Mas precisa ser dito as verdades: o que ele fez foi uma vergonha”, afirmou Alessandro, em declaração recuperada pelo Globoesporte.com, antes de ampliar:

Publicidade

“Não me isento do que fiz. Eu errei e meu comportamento foi inadequado. Mas mais inadequado e lamentável é o árbitro de vídeo ficar na frente do monitor, vendo diversas vezes um fato que ocorreu e não auxiliar o árbitro de campo. Isso é um absurdo. Nós estamos em uma zona desconfortável, e lances decisivos implicam diretamente em resultados. A gente só quer igualdade. A tecnologia veio para ajudar, mas não estão usando para ajudar”.

Publicidade

Súmula relata atitude

O árbitro Rodrigo José Pereira de Lima, que no segundo tempo ainda expulsaria o zagueiro gremista Bruno Alves, relatou a atitude de Alessandro em súmula. O juiz também contou ter sido xingado por dirigentes do Corinthians na saída do intervalo:

Informo que na saída da equipe de arbitragem do campo de jogo, após término do primeiro tempo, fomos abordados por diretores do Corinthians na zona mista, vindo em nossa direção de forma grosseira e ostensiva, sendo contidos por policiais. Dentre eles foi possível identificar o presidente Duilio Monteiro Alves, e o gerente de futebol Alessandro Mori Nunes. O gerente citado proferiu de forma grosseira e ofensiva as seguintes palavras: “Vagabundo, você é safado, tendencioso, seu ladrão”. Em seguida o presidente acima citado foi até a entrada do vestiário da equipe de arbitragem proferindo as seguintes palavras: “Seu vagabundo, ladrão”. Informo ainda que o mesmo não conseguiu o acesso ao vestiário da arbitragem devido a intervenção da polícia“, diz trecho do documento.

Renato “entrega” presidente do Corinthians

Ao ser perguntado sobre a confusão do intervalo, o técnico do Grêmio, Renato Portaluppi, disse que o presidente paulista Duilio Monteiro Alves chegou a chutar a porta da sala da arbitragem. E ainda lembrou o pênalti não marcado por toque de Yuri Alberto no jogo entre as duas equipes no primeiro turno, na Neo Química Arena, que terminou empatado em 4×4:

“O presidente do Corinthians chutou a porta do árbitro. Na frente do vestiário do Grêmio. Mas sou treinador do Grêmio e preciso cuidar dos nossos jogadores. Engraçado que lá em São Paulo não chutaram a porta do árbitro quando não deram pênalti pra nós. Estão satisfeitos? Se o treinador chega aqui e fala tudo que tem vontade, aí fica difícil”, disparou Renato.

Siga o Zona Mista nas redes sociais: TwitterInstagramFacebook e YouTube. Google News do Zona Mista (zonamista.com.br)

loading...

Utilizamos cookies. Aceitar Ler políticas