“Enlouquecido, chutando parede”: Coudet reage à informação de que teria se descontrolado no vestiário

Técnico colorado negou veementemente tal postura em sua coletiva de imprensa

Publicidade

Uma informação dada pelo jornalista João Batista Filho envolvendo o técnico Eduardo Coudet, logo depois de Inter 0x0 Real Tomayapo-BOL, pela fase de grupos da Copa Sul-Americana, agitou a torcida colorada nas redes sociais. Segundo o comunicador, o treinador teria entrado “enlouquecido” no vestiário pós-jogo, chutando paredes e indicando que gostaria de ir embora do clube.

“A informação é a seguinte. Direto do vestiário do Beira-Rio. Eduardo Coudet está enlouquecido, fazendo fiasco, chutando as paredes do vestiário. Estão tentando acalmá-lo, porque ele quer ir embora do Inter. As pessoas querem acalmar para ele pensar melhor nas atitudes, respirar fundo e permanecer no clube”, afirmou JB Filho em live com o também jornalista Fabiano Baldasso.

Coudet, em seguida, foi perguntado exatamente sobre isso na sua coletiva de imprensa, que foi dada ao lado do zagueiro Gabriel Mercado. E negou veementemente que tal fato tenha acontecido:

“Não. O primeiro que te digo é que é impossível. Não teve uma palavra no vestiário. Eu sempre falo para o torcedor: não consumam. Não tenho rede social, mas às vezes chega em mim. Isso não aconteceu. Outro dia falaram que o Mauricio pediu para sair, mas não pediu. O grupo está bem. Não tivemos um problema. Há exigência e o grupo responde”, ampliou.

De qualquer forma, o Inter se vê em um momento de pressão às vésperas de iniciar a sua principal competição no ano, o Brasileirão, no sábado, 18h30, em casa, diante do Bahia. Para completar a maré de azar, Alan Patrick deixou o jogo diante dos bolivianos com suspeita de lesão muscular, podendo ser desfalque para a sequência da temporada.

"Enlouquecido, chutando parede": Coudet reage à informação de que teria se descontrolado no vestiário
Inter de Borré pressionou, mas não fez gol – Foto: Roberto Vinicius/Zona Mista

Coudet admite pressão no Inter

Com quatro jogos sem vencer e com apenas um gol marcado no período, Coudet admite que tanto o Inter quanto ele próprio se encontram “pressionados” neste momento da temporada. Porém, o argentino segue demonstrando confiança em seu trabalho visando uma retomada imediata nos bons resultados:

“Eu conheço o futebol brasileiro e sei que a pressão está sempre no treinador. No ano passado ganhei o estadual pelo Atlético-MG e não tive menos pressão depois. Foi a mesma. Temos que trabalhar e acreditar no trabalho. A dificuldade principal hoje é fazer gol. Tivemos muitas situações. Jogamos com muitos atletas de características ofensivas. Era boa ocasião para dar minutos a quem não vinha jogando. Mas tenho que seguir trabalhando”, projetou.

“A minha vida toda convivi com pressão. A média do treinador aqui no Brasil é quatro, cinco meses. É uma montanha-russa de emoção. Há cinco jogos falavam que éramos o melhor time do país. Tão ruim assim eu não sou. Temos coisas para melhorar. Reconheço que estávamos jogando melhor antes. Eu assumo a pressão”, ampliou Coudet.

Leia mais notícias:

Ajude o Rio Grande do Sul – Doe pelo PIX – CNPJ: 92.958.800/0001-38

Ajude o Rio Grande do Sul
Chave PIX - CNPJ: 92.958.800/0001-38 Instituição: Banrisul Nome: SOS Rio Grande do Sul

Utilizamos cookies. Aceitar Ler políticas