Coudet reforça confiança no trabalho, mas admite pressão no Inter: “Conheço o futebol brasileiro”

Saiba mais detalhes da coletiva de Eduardo Coudet depois de Inter 0x0 Real Tomayapo

Publicidade

Frustrado por mais um jogo sem vitória e sem fazer gols, o técnico Eduardo Coudet admitiu a “pressão” no Inter depois do empate em 0x0 com o Real Tomayapo, da Bolívia, nesta quarta-feira, pela segunda rodada da fase de grupos da Sul-Americana. Ele pregou confiança no trabalho para que os resultados positivos voltem a acontecer de imediato:

“Eu conheço o futebol brasileiro e sei que a pressão está sempre no treinador. No ano passado ganhei o estadual pelo Atlético-MG e não tive menos pressão depois. Foi a mesma. Temos que trabalhar e acreditar no trabalho. A dificuldade principal hoje é fazer gol. Tivemos muitas situações. Jogamos com muitos atletas de características ofensivas. Era boa ocasião para dar minutos a quem não vinha jogando. Mas tenho que seguir trabalhando”, projetou.

Coudet, porém, admitiu que o Inter não vem jogando tão bem como acontecia na primeira etapa da temporada, quando o time chegou a encaixar 10 vitórias seguidas.

“A minha vida toda convivi com pressão. A média do treinador aqui no Brasil é quatro, cinco meses. É uma montanha-russa de emoção. Há cinco jogos falavam que éramos o melhor time do país. Tão ruim assim eu não sou. Temos coisas para melhorar. Reconheço que estávamos jogando melhor antes. Eu assumo a pressão”, ampliou.

Trabalho para Coudet no Inter

Sem muito tempo para lamentar, o Inter volta a jogar já neste sábado, 18h30, novamente em casa, contra o Bahia, pela estreia no Brasileirão.

Ajude o Rio Grande do Sul – Doe pelo PIX – CNPJ: 92.958.800/0001-38

Ajude o Rio Grande do Sul
Chave PIX - CNPJ: 92.958.800/0001-38 Instituição: Banrisul Nome: SOS Rio Grande do Sul