fbpx

Mobilização, fator Mano e dificuldade: o que diz o presidente do Inter dias antes da decisão contra o Colo-Colo

Alessandro Barcellos conversou com a Rádio Gaúcha para projetar a partida de terça-feira

Após o empate em 1×1 diante do Ceará fora de casa neste sábado pelo Brasileirão, tudo é Sul-Americana para o “mobilizado” Inter, que precisa, na terça-feira, reverter o 2×0 sofrido pelo Colo-Colo para conseguir ir às quartas de final. O jogo das 21h30 no Beira-Rio foi o principal tema da entrevista concedida por Alessandro Barcellos, neste domingo, à Rádio Gaúcha.

O presidente confirmou que existe um clima de mobilização total no vestiário para esta partida e mais uma vez apostou na capacidade do técnico Mano Menezes para a mudança no placar:

“O clube vive essa mobilização nas mais diversas áreas, desde o vestiário até a diretoria, na relação com sócios e com o torcedor. Pela procura por ingressos, é possível ver que o torcedor está respondendo, e isso é fundamental para recuperarmos a relação do Beira-Rio lotado com a equipe. Estamos trabalhando tudo isso para conseguirmos reverter o resultado. É difícil, pois, infelizmente, saímos com uma desvantagem de dois gols, mas, assim como existe um grau de dificuldade, existe também um grau de confiança”, disse, antes de acrescentar:

“A gente sempre busca permanentemente essa mobilização. Claro que, pelas circunstâncias, este jogo se tornou fundamental. Isso vem sendo trabalhado pela comissão técnica e pela direção técnica, e o Mano tem essa capacidade. Além disso, o próprio grupo saiu do jogo contra o Colo-Colo com essa responsabilidade e se autodeterminando a buscar essa classificação. O fato é que o vestiário já está com este ambiente importante de mobilização”.

Barcellos defendeu a estratégia da comissão técnica em preservar os principais titulares na partida empatada no Castelão contra o Ceará:

“Foi uma questão de necessidade. O Mano expressou bem (na entrevista coletiva pós-jogo) o planejamento que tínhamos. Após a derrota contra o Botafogo, algumas mudanças aconteceram e buscamos a vitória contra o Coritba com a equipe atuando no máximo. No Chile, tivemos dificuldades médicas como a não utilização do De Pena e a saída do Renê. Portanto, houve uma necessidade de usar o grupo. E ainda assim, a partida contra o Ceará poderia ter tido resultado diferente. Não que tenha sido injusto, mas tivemos momentos na partida com a oportunidade de virar o jogo. Tivemos ainda aparições importantes, como Kaique Rocha, Lizeiro e a volta do Taison, que precisava de ritmo de jogo e fez uma boa partida. Isso é importante para o grupo se afirmar como um todo”, finalizou.

Sobre terça-feira:

– Beira-Rio deverá ter mais de 40 mil pessoas

– Bustos e De Pena podem voltar ao time. Renê e Wanderson ainda não

– Não há saldo qualificado. Qualquer vitória do Inter por dois gols leva para os pênaltis. Para passar direto, precisa vencer por três

Clique nas manchetes abaixo para ler mais notícias sobre o Inter:

Gostou do site? Então deixe sua curtida:

Publicidade

Utilizamos cookies. Aceitar Ler políticas