Mano Menezes indica possível novo destino e lamenta saída do Inter: “Não era hora de fazer isso”

Ex-técnico colorado voltou a dar declarações em entrevista concedida à CNN Brasil

Em entrevista concedida à CNN Brasil neste domingo, o técnico Mano Menezes projetou a continuidade de sua carreira no futebol e afirmou que não existe a possibilidade de assumir algum clube no Brasil no segundo semestre de 2023. Ele revelou ter negociação em andamento com um time do Mundo Árabe, fora da Arábia Saudita e que, no futebol brasileiro, só pensaria em treinar novamente a partir de janeiro de 2024.

“Eu já conversei com algumas pessoas na semana passada e disse que não pretendo assumir nenhum trabalho no restante deste ano. A não ser que receba uma proposta de fora do futebol brasileiro e já tenho uma negociação mais ou menos iniciada no Mundo Árabe, não é na Arábia Saudita. Aí eu levaria em consideração. Pois são situações diferentes. Ter que fazer cinco meses de trabalho no Brasil, no meio de temporada, ter que fazer um trabalho de recuperação, não é o perfil de trabalho que quero agora. Não vou iniciar nenhuma negociação no Brasil agora”, afirmou Mano.

Veja também:
1 De 6.127

Mano Menezes fala da saída do Inter

Em relação à ainda recente saída do Inter, que optou por “recontratar” Eduardo Coudet no lugar, Mano indicou discordar da postura da direção em fazer a sua demissão, embora reconheça o direito do clube em agir desta maneira. O treinador relembrou que, em 2023, sob seu comando, a equipe tinha passado por um momento inclusive pior durante maio e mesmo assim a comissão técnica, na ocasião, permaneceu:

“Eu não gosto de ficar falando de quando alguém decide que eu devo sair. Está lá o contrato e se cumpre. Assim como o treinador também tem o seu direito. Escolhas, cada um é responsável pelas que faz. Eu fiquei muito à vontade e achei que era a atitude correta que eu deveria tomar (recusar o Corinthians por ter contrato com o Inter). Penso que é assim que deve ser. O Inter achou que deveria tomar essa atitude, a história cobra depois da gente aquilo o que a gente fez”, declarou Mano, para depois encerrar:

“Nesse momento, não era hora de fazer isso (interromper o trabalho), porque das últimas 12 partidas o time tinha perdido só uma para o Fluminense. Mas como o Inter vem de um período longo sem conquistas estas coisas ganham um peso maior. Cada derrota vira uma tragédia e se cria culpados. Já vinha acontecendo há algum tempo. Mas tínhamos passado nesta temporada um momento bem mais delicado e tínhamos superado isso. Acho que esse era um momento que as coisas tendiam a voltar a acontecer como foi no ano anterior, quando se preocupavam com o rebaixamento e ficamos no 2° lugar. São escolhas”.

Leia mais notícias do Inter:

Utilizamos cookies. Aceitar Ler políticas