Baldasso cita responsabilidade de Borré e brinca com demora no aeroporto: “Kannemann agarrando”

Jornalista colorado Fabiano Baldasso está otimista com a chegada de Borré no clube

Publicidade

Recepcionado por cerca de três mil pessoas na tarde da última terça-feira no Aeroporto Salgado Filho, o atacante Rafael Borré já teve logo de cara a “noção da responsabilidade” que terá a partir de agora com a camisa do Inter. Esta foi a análise feita pelo jornalista colorado Fabiano Baldasso durante comentário no programa “Debate Raiz”, no YouTube.

Baldasso, em tom provocativo à torcida do Grêmio, ainda brincou com a demora de Borré entre a chegada no aeroporto e a ida ao portão encontrar os torcedores colorados que o esperavam. Segundo ele, isso ocorreu porque o zagueiro gremista Kannemann já estava “agarrando” o reforço do Inter:

“O Borré demorou a chegar do saguão do aeroporto até o portão porque, parece, que o Kannemann já estava agarrando ele ali. Mas eu acho essas recepções foi fundamentais. O jogador tem a noção da responsabilidade quando acontece esse tipo de coisa. Ele chega e se depara com 3 mil pessoas em dia de semana, no horário comercial, cantando o nome dele. Isso é fundamental para ele entender a sua importância e a responsabilidade que ele tem”, destacou Baldasso.

A tendência é que Borré possa ter condições legais de jogo já na próxima quarta-feira, dia 13, às 20h, na segunda fase da Copa do Brasil, em jogo único contra o Nova Iguaçu. Esta partida, que também pode marcar a estreia do volante Fernando, está marcada para o Estádio Mané Garrincha, em Brasília.

O Grêmio, por sua vez, só entra na Copa do Brasil a partir da terceira fase, quando um novo sorteio será realizado entre todos os clubes. O tricolor conquistou esse direito por ter sido vice-campeão do último Brasileirão, o que lhe garantiu uma vaga direta na fase de grupos da Libertadores de 2024.

Borré fala de clássicos

Pretendido pelo Grêmio na temporada de 2021 e autor de gol contra o tricolor na Arena em 2018, pela semifinal da Libertadores, quando ainda jogava pelo River Plate, Rafael Borré foi perguntado em sua coletiva de apresentação no Beira-Rio sobre o seu retrospecto em clássicos:

“Os clássicos são lindos. Cada país, cada cidade, os clássicos são especiais. Vi a partida passada contra o Grêmio. A forma de viver, de jogar, é muito disputado, especial. É algo que eu sentia que necessitava para minha carreira, para voltar a viver. Viverei com muito sentimento este tipo de partida especial”, disse, antes de elogiar o técnico Eduardo Coudet:

“Conheço a ideia de Coudet, do que ele gosta, do estilo de jogo, do que ele implementa no time. É uma filosofia que nos agrada. Ter ex-jogadores do River pode ajudar na adaptação, mas obviamente tenho que conhecer os meus colegas e entrar nesse círculo do dia a dia para ter esse feeling em campo e conquistar grandes coisas”.

Rafael Borré no Inter
Borré na sua apresentação pelo Inter – Foto: Ricardo Duarte/Inter

Inter e Grêmio podem se cruzar na final do Gauchão

Por questão de chaveamento, Inter e Grêmio só podem se enfrentar na grande final do Gauchão caso avancem antes disso. No sábado, o colorado recebe o São Luiz às 16h30 no jogo único das quartas e depois, se passar, aguarda o vencedor de Guarany x Juventude na semi. Já o tricolor, no domingo, recebe o Brasil de Pelotas às 18h30 e depois, passando, enfrenta quem ganhar de Caxias x São José.

LEIA MAIS: