fbpx

Galhardo detalha saída do Inter, cita D’Alessandro e mostra gratidão a dirigente colorado: “Muitos queriam travar o negócio”

Atual jogador do Celta de Vigo, da Espanha, contou detalhes da negociação à ESPN Brasil

Novo jogador do Celta de Vigo, da Espanha, emprestado pelo Inter até o meio de 2022, Thiago Galhardo falou pela primeira vez com mais detalhes de sua saída do clube em entrevista à ESPN Brasil. No bate-papo, admitiu que tinha o interesse de deixar o Beira-Rio antes mesmo da oferta espanhola e que, já em 2021, via com bons olhos a chance de jogar no Corinthians, que mostrou vontade concreta de contratá-lo.

“Todos sabem que negociações são difíceis de acontecer. Há três lados: clube interessado, jogador e o clube com os direitos. Quando é bom só para uma ou duas das partes, acaba não se concretizando, por mais que eu quisesse ter saído para o Al Hilal. Quando veio o negócio do Palmeiras, que as coisas foram só ventiladas, não teve nada de concreto. E depois de concreto mesmo teve o Corinthians”, disse, antes de falar da sua vontade pessoal:

“Também era uma vontade minha sair pela valorização, desejo de jogar em São Paulo. Mas quando o Chacho liga, é o sonho de poder jogar fora, de jogar LaLiga e estar com o cara que é o melhor treinador com quem já trabalhei. É o cara que conseguiu tirar meus melhores números. Não tinha preço. Hoje, eu volto a sonhar de novo em fazer gols, dar alegria não só para minha família e para mim, mas para ele, que é um cara que consegue me tirar o máximo. E obviamente poder pensar em coisas maiores: classificar o time para uma UEFA, poder voltar à Seleção”.

Em relação à negociação, Galhardo mostrou gratidão ao executivo colorado Paulo Bracks, que, segundo ele, impediu que o negócio travasse pela vontade de outras pessoas:

“Imaginei que o Inter não fosse travar por ser um desejo, um sonho. E até pela situação que eu encontrava: muito desencontro de notícias e tudo mais. Foi uma coisa casada. Quando surgiu o problema, eu estava vendo a solução das coisas. Ele me liga, não posso atender na hora e ligo uma hora depois. Começa toda conversa sobre eu estar com vontade, com “ganas” de vir. E ali começa um processo que foi tudo muito rápido. Na terça eles passaram contato do direto para falar com meus representantes. Quero agradecer ao [diretor executivo] Paulo Bracks e parabenizar por ter conduzido a situação quando muitos queriam travar”, explicou.

Coudet
Coudet teve influência direta na ida de Galhardo ao Celta – Foto: Ricardo Duarte/Inter

Relação de Galhardo com Eduardo Coudet e exemplo de D’Alessandro

O artilheiro do Inter no Brasileirão de 2020 admitiu que a presença de Eduardo Coudet no comando do Celta foi decisiva para que ele aceitasse a proposta. Ao falar do treinador, Galhardo lembrou até de D’Alessandro para elogiar a forma como Chacho trata todos igualmente:

“Você tem que ser totalmente profissional: ir para casa e se cuidar. Senão você não consegue acompanhar o ritmo de treino. Para você ter uma ideia, eu corria 50 quilômetros em 5 dias. E a pretensão é fazer 70 na semana. É uma exigência muito grande. E para (Coudet) ele não tem diferença do menino mais jovem, do mais velho, do cara que é da seleção, do cara que não é de seleção… Ele trata todos igualmente. Isso obviamente eu vi dentro do Internacional. O tratamento ser igual com o menino que acabou de subir, comigo – que tinha acabado de chegar – e com o D’Alessandro, ídolo e referência. Isso faz com que ele ganhe o grupo e passe confiança”, declarou o atacante, para depois finalizar:

“Ele coloca para jogar de fato os melhores. Pode cometer uma injustiça no pensamento de um torcedor, jogador ou jornalista. Mas dentro do trabalho ele consegue comprovar em tudo: com números e com treinos, que ele filma e mostra”.

Gostou do site? Então deixe sua curtida:

Publicidade

Utilizamos cookies. Aceitar Ler políticas