A “discussão forte” que Suárez teria tido com o presidente do Grêmio após uma partida na Arena

Ex-vice de futebol gremista Paulo Caleffi fez diversas revelações em nova entrevista

Publicidade

O ex-vice de futebol do Grêmio, Paulo Caleffi, resolveu falar e abrir temas até então escondidos sobre a sua passagem pelo vestiário da Arena em 2023. Ao jornalista Leonardo Meneghetti, ele garantiu que “em nenhum momento” teve apoio do presidente Alberto Guerra, que o demitiu no meio da temporada alegando um certo “desalinhamento de ideias”.

Desconfortável com a sua saída, Caleffi lembrou do caso envolvendo Suárez no meio do ano e citou o quanto o uruguaio se irritou quando Guerra, em evento com sócios, teve vídeo vazado onde dizia que o atacante talvez necessitasse até de prótese no joelho.

Veja também:
1 De 6.004

Segundo Caleffi, as reações de Suárez no jogo contra o América-MG, na Arena, ao fazer um gol e imitar gesto de “louco”, não foram para a imprensa ou torcida, mas, sim, para o presidente Alberto Guerra. O jogador também teria tido uma “discussão forte” com o mandatário no vestiário:

“Ocorreu uma desavença no vestiário entre Suárez e o presidente Alberto Guerra. Uma discussão forte depois de um jogo. Aquele gesto depois do gol não foi para a imprensa. Aquilo lá foi em virtude do trecho do vazamento do vídeo do Guerra falando em prótese no joelho. Aquilo incomodou muito o Suárez. E todos sabem. Eu não utilizo perfil fake em rede social e nem faço construção de narrativa com profissional de comunicação. Estou à disposição para esse momento de olho no olho”, disparou Caleffi.

“Eu preservei pessoas e hoje é o dia de terminar com a preservação. Porque ninguém me preservou de nada no clube. Eu ia nos microfones e me chamavam de arrogante, prepotente, pavão. Mas ninguém sabe dos bastidores. Vazam informações que parecem interessar determinado nicho dentro do Grêmio. Outras delas não”, acrescentou.

Presidente do Grêmio teria impedido Caleffi de entrar no CT

Outra lamentação de Caleffi envolve uma suposta postura de Alberto Guerra em “proibir” a sua entrada no CT Luiz Carvalho, após a demissão, para se despedir de funcionários e jogadores:

“Após a minha saída, eu não tive autorização para entrar no CT para me despedir de pessoas que eu convivi por mais de 7 meses. Eu recebi um recado dizendo que havia uma orientação do presidente para não me deixar entrar no CT”, finalizou Caleffi.

Canal WhatsApp - Zona Mista Grêmio
Entre no canal e ative o sininho para receber as notificações

Utilizamos cookies. Aceitar Ler políticas