Diego Costa minimiza discussão com colega e resume partida: “Era espírito de guerra”

Centroavante fez o único gol da importante vitória gremista sobre o Huachipato

Publicidade

Autor do decisivo gol da vitória do Grêmio sobre o Huachipato, que garantiu o tricolor matematicamente na segunda fase da Libertadores, o centroavante Diego Costa concedeu coletiva ao lado do técnico Renato Portaluppi após o confronto no Chile e minimizou a discussão que teve com o colega Nathan Fernandes durante o segundo tempo. Ele rasgou elgoios ao jovem atacante e disse que também tem a humildade de receber cobranças de todos:

“O Nathan é um jogador importante para o grupo. Ele entrou e é normal quando entra no segundo tempo, não desligado, mas um pouco fora do ritmo que tínhamos no primeiro tempo. Fui tentar de alguma maneira acordar o nosso companheiro. Mas a gente tem uma relação boa e de confiança. Quando eu tiver que cobrar ele, vou cobrar. E no momento que ele precisar me cobrar, eu tenho humildade de aceitar”, comentou Diego Costa, antes de ampliar:

Veja também:
1 De 6.005

“Faz parte do jogo. A gente queria ganhar e se classificar. Não tem nada. Ele passou mal, mas está tudo bem. Ele tem futuro brilhante e eu tento passar algo para ele crescer como jogador. Era um jogo com espírito de guerra e é normal esses ânimos se exaltarem. Todo grupo gosta muito dele”.

Ao lado de Diego Costa, Renato lembrou aos jornalistas que costuma dar total liberdade para os jogadores se cobrarem dentro de campo, independentemente de idade ou posição. Por isso, encarou com total naturalidade este episódio:

“No ambiente do nosso grupo faz parte isso. O companheiro chamar a atenção do outro independente da idade e da posição. Todos querem ganhar e eu dou a liberdade para eles, dentro do campo, se cobrarem. Foi isso que aconteceu entre eles”, falou o treinador.

Diego Costa cita dificuldades do Grêmio

Depois de fazer o seu 7° gol com a camisa do Grêmio desde a chegada, Diego ainda citou as dificuldades que o elenco vem passando por estar longe da família e acumulando várias viagens, já que os trabalhos não estão ocorrendo no Rio Grande do Sul.

“Era um jogo para a classificação. E é sempre importante marcar. Mas o objetivo nosso era a classificação. Era Libertadores. Quando dá para jogar, joga. A gente batalhou. Estamos nos esforçando muito e diariamente. Longe dos familiares, vivendo em hotel. Todo esse esforço em campo é pelo espírito de grupo do dia a dia”, finalizou o centroavante.

No embalo de Diego Costa, o Grêmio espera ter casa cheia no jogo final da chave da Libertadores neste sábado, 19h, no Couto Pereira-PR, contra o já eliminado Estudiantes. Uma vitória ou um empate por dois ou mais gols garante o tricolor em 1° do grupo para pegar o Peñarol nas oitavas. Se ficar em 2°, o adversário será o atual campeão Fluminense.

LEIA MAIS DO GRÊMIO:

Canal WhatsApp - Zona Mista Grêmio
Entre no canal e ative o sininho para receber as notificações

Utilizamos cookies. Aceitar Ler políticas