Andrezinho conta bastidores de partida épica contra o Estudiantes e lembra briga: “Mirei o vestiário”

Ex-meia colorado se divertiu ao lembrar da partida de quartas de final da Libertadores

Publicidade

Hoje dirigente do Nova Iguaçu, do Rio de Janeiro, o ex-meia Andrezinho é um nome sempre lembrado com muito carinho pela torcida do Inter, clube pelo qual defendeu entre 2008 e 2011. Do seu pé direito, aliás, surgiu uma das assistências mais importantes da história recente do clube, deixando Giuliano livre para fazer o gol da classificação contra o Estudiantes nas quartas da Libertadores de 2010 – posteriormente, o colorado se sagraria bicampeão continental naquele ano.

Até hoje, aquela partida é lembrada como o “jogo da fumaça”, pois, já perto do fim do segundo tempo, a torcida do Estudiantes utilizou sinalizadores para festejar a provável classificação com vitória parcial de 2×0. Certamente, não contavam com a jogada de Andrezinho e Giuliano:

“Eu, em campo, já naquele fim de segundo tempo, vendo que a torcida organizada deles estava começando com a fumaça. E eles comemorando. Dentro de campo, tinha o Verón, outro cara da Seleção Argentina, os caras eram muito bons. Tínhamos uma rivalidade já, porque enfrentamos eles na Sul-Americana na final em 2008. O Verón já estava chamando a torcida. A gente olhava para o banco e os caras sem camisa, cantando… mas quando o Giuliano faz o gol… eu passo do volante, lanço por cima do zagueiro e ele chuta no meio da fumaça. Tudo que ele fazia dava certo”, citou Andrezinho, em recente entrevista ao Charla Podcast.

Andrezinho não quis saber de briga

Uma confusão generalizada marcou o final desta partida na Argentina, com vias de fato e muita correria entre os vestiários. Andrezinho lembra que um dos jogadores colorados que levou a pior foi o centroavante da época, Alecsandro:

“Sai o Fossati comemorando, todo mundo, todos malucos. O Pato, nosso goleiro, não sei se já tinha rivalidade lá, porque o Desábato vai direto nele quando acaba o jogo. Aí vem o Lauro e acerta o Desábato. E aí a porrada come. Só que os policiais e os seguranças não chegaram para separar, não, chegaram para bater em nós. Eu mirei o vestiário (risos). Só que os dois times passavam pelo mesmo túnel. No banco deles, tinha um cara muito forte com a camisa do Estudiantes. Lembro que estou passando correndo ali e eu olho e está o Alecsandro com um dente quebrado, tomou uma, pensei em voltar. Mas aí pensei: ‘Pô, Alecgol, aí vai apanhar dois, cara’. E me mandei pro vestiário (risos)”, acrescentou.

Depois de passar pelo Estudiantes, o Inter – já com Celso Roth e não mais Jorge Fossati na casamata – bateu o São Paulo na semi e venceu o Chivas em dois jogos na grande final. Andrezinho defendeu outros grandes clubes brasileiros na carreira como Flamengo e Vasco, além de ter jogado no exterior.

LEIA MAIS NOTÍCIAS DO INTER:

Ajude o Rio Grande do Sul – Doe pelo PIX – CNPJ: 92.958.800/0001-38

Ajude o Rio Grande do Sul
Chave PIX - CNPJ: 92.958.800/0001-38 Instituição: Banrisul Nome: SOS Rio Grande do Sul