Taison considera Ramírez “incrível” e quer grupo sentindo as derrotas para reagir: “Ou não veste a camisa do Inter”

Confira mais detalhes da coletiva de imprensa do atacante e capitão Taison nesta terça-feira

Publicidade

O primeiro jogador do Inter a falar publicamente depois da queda para o Grêmio na final do Gauchão foi exatamente o capitão do time, Taison, que, em coletiva de imprensa concedida na tarde desta terça-feira, fez rasgados elogios ao técnico Miguel Ángel Ramírez e, mesmo defendendo o elenco, pediu ainda mais comprometimento de todos principalmente depois de derrotas.

LEIA MAIS – Lomba não é mais unanimidade no Inter e tem jogado por convicção pessoal de Ramírez, informa jornalista

Taison, vale lembrar, tinha a restrição de não poder jogar no Gauchão por não estar inscrito, mas, a partir de agora, estará apto a defender a equipe em todos os jogos até o final da temporada.

“O mister é uma pessoa incrível, que trabalha bastante. Temos que nos adaptar ao sistema. Quando tu não vence, vão achar alguma coisa errada. Quando vence, não vão falar do esquema tático. Eu me adaptei ao sistema do mister, porque era um sistema que eu jogava no Shakhtar. A gente está tentando se adaptar o mais rápido possível, os jogadores sabem o que precisam fazer. A gente vai se adaptar”, prometeu.

Mesmo sem ter a chance de jogar, Taison fez questão de estar com o grupo na Arena no domingo e desceu ao gramado para apoiar os colegas que saíram cabisbaixos após o empate em 1×1 e o vice:

“Fui ver o jogo e depois, quando perde um título, é complicado. Eu perdi alguns na Ucrânia e também saía de cabeça baixa. Tive um conselho uma vez: “Se tu deu tudo dentro do campo, sai de cabeça erguida”. O futebol é rápido e muda rapidinho. Não quero ser o jogador que faz coisas sozinho. Eu senti a dor deles e era o momento de eu estar junto, levantando a cabeça deles. Eu vejo que eles querem vencer. Estamos no quase. Temos que tirar esse quase na nossa cabeça. Vamos trabalhar para ser campeão, não quase campeão. Entrei em campo na Arena para tirar eles de cabeça erguida. O Internacional é muito grande e temos que vestir essa camiseta de cabeça erguida”, disse o capitão, antes de finalizar:

“Sou um torcedor. Eu sinto. Se eu empatar ou perder vou para casa, me tranco dentro do quarto e não falo com ninguém. Se tu não sentir uma derrota num clássico tu não pode estar vestindo a camisa do Inter. E eu vi que meus companheiros sentiram”.

Com Taison, o Inter volta a campo nesta quarta-feira, 19h, diante do Always Ready, no Beira-Rio, pela conclusão do Grupo B da Libertadores.

Utilizamos cookies. Aceitar Ler políticas