fbpx

Presidente do Inter aponta diferenças entre trabalhos de Ramírez e Aguirre: “Há algo que não era feito antes”

Alessandro Barcellos falou sobre a fase atual do Inter em entrevista ao Globoesporte.com

Em uma espécie de balanço da temporada de 2021 até agora, o presidente Alessandro Barcellos falou abertamente ao Globoesporte.com sobre os trabalhos de Miguel Ángel Ramírez e Diego Aguirre entendo que há algo no atual trabalho que não era feito antes: o “equilíbrio” do time no setor de meio de campo a partir da entrada de um segundo volante.

LEIA MAIS – D’Alessandro como coordenador e Aguirre na casamata? O que já adianta o presidente do Inter para 2022

Desde a goleada surpreendente de 4×0 diante do Flamengo, no Maracanã, Aguirre tem apostado em um sistema com dois marcadores, sendo preferencialmente Dourado e Lindoso.

“Entendo que o Diego tem mudado a formação. Busca o equilíbrio com dois volantes. Algo que não era feito antes. Tem a leitura do elenco, que é importante. Quando citamos o jogo com o Flamengo, o torcedor talvez esteja distante da informação ou olhar que temos. Olhamos o trabalho durante a semana, se estuda o adversário, treina e executa. Mais do que o 4 a 0, foi o que se treinou, acabou executado. Isso dá confiança ao grupo, comissão e direção. Você enxerga no palco do jogo o que foi preparado. Isso tem um valor inestimável para criar uma confiança maior no trabalho”, declarou o mandatário colorado.

“Quando falamos da saída do Miguel, eram esses elementos que observávamos. Naquele momento, não enxergávamos como entendíamos ser importante. Não é a derrota que faz uma decisão ser tomada, mas a evolução do trabalho. Contra o Flamengo, vimos esta possibilidade e confiança adquiridos pelo grupo”, acrescentou.

Em seguida, o principal dirigente vermelho resumiu o que vê de “diferença” entre os dois trabalhos:

“O Aguirre tem um modelo diferente do Ramírez. Não tem tanta posse de bola, mas estuda adversários, faz o jogo mais defensivo quando necessário. Mas busca a vitória, como foi contra o Flamengo, que jogamos de uma forma, e com o Fluminense, de outra. Buscamos um modelo que nos trouxesse a forma propositiva, a valorização da base, como também pensa o Miguel. E depois a vinda do Aguirre. Passamos por três processos em um curto espaço. Um pouco de cada ajuda o Inter a reencontrar seu futebol e buscar um lugar melhor na tabela no segundo turno”, concluiu.

Em campo, o Inter, que é 11° no Brasileirão com 23 pontos, só volta a jogar na segunda-feira que vem, dia 13, contra o Sport, fora de casa.

Gostou do site? Então deixe sua curtida:

Publicidade

Utilizamos cookies. Aceitar Ler políticas