Presidente do Grêmio explica saída de Luan e sugere clube “em que ele possa jogar mais”

Atacante de 30 anos não renovou o seu contrato com o tricolor para a nova temporada

Publicidade

Pela primeira vez, a direção do Grêmio se posicionou sobre a saída de Luan, que não teve o contrato renovado para 2024 e passa a ser desde já um atleta livre no mercado. Em entrevista concedida ao jornalista Duda Garbi, o presidente Alberto Guerra explicou não ter se tratado de uma decisão “presidencial” e que vários profissionais envolvidos no futebol gremista decidiram não renovar com o jogador.

“Quando eu fui vice de futebol em 2016, Luan foi meu atleta. Depois, como diretor, ele também foi meu atleta. Agora, eu falei que era uma questão mais humanitária. Era um ídolo, precisava ser acolhido. A não renovação não é uma decisão presidencial. Isso passa pela análise de muita gente. O Grêmio tem uma comissão técnica que não é só o treinador. O Grêmio tem um executivo de futebol, um gerente, enfim, tem mais pessoas avaliando os prós e contras. A gente tem um limite de jogador. Quando a gente tem alguém ali, não pode ter 40, 50 jogadores. Trabalhar com um plantel curto, com jogadores que podem fazer mais de uma função… se avaliou o desempenhou e se optou pela não renovação”, declarou Guerra.

Veja também:
1 De 5.982

O mandatário entende que seria bom para Luan ir a um clube “em que possa jogar mais”, algo que não aconteceu no Grêmio de 2023. Foram apenas cinco partidas, todas elas saindo do banco de reservas, totalizando apenas 45 minutos em campo.

“Mas o Luan está na história do Grêmio e ele merece ir para um clube em que possa jogar mais, ser o destaque, porque avião parado não funciona. Embora o carinho da torcida, dos funcionários, seria bom que encontrasse um lugar para jogar mais. Entrando pouco, ele nunca teria a embocadura que a gente sabe que ele pode ter”, finalizou.

A entrevista da direção do Grêmio:

Canal WhatsApp - Zona Mista Grêmio
Entre no canal e ative o sininho para receber as notificações

Utilizamos cookies. Aceitar Ler políticas