Por valores de Bitello, Cascavel atua nos bastidores e tenta bloquear premiação de vice do Grêmio

Meia formado no clube paranaense foi destaque do Grêmio entre os anos de 2022 e 2023

Publicidade

Cerca de três meses depois da venda, o Grêmio segue tendo dores de cabeça por conta da situação do meio-campista Bitello, que atualmente joga no Dínamo Moscou, da Rússia. Isso porque o Cascavel, que é o clube formador, tem direito por lei de 30% dos valores envolvidos na compra e alega que o time gaúcho não repassou a quantia que seria equivalente.

Assim, o Cascavel entrou com liminar na Câmara Nacional de Resoluções de Disputas (CNRD) e pede o bloqueio da premiação do Grêmio por ter sido recentemente vice-campeão do Brasileirão. De acordo com o portal GZH, o prêmio é na casa de R$ 45,4 milhões.

“Já conseguimos uma liminar para apresentação de documentos e agora estamos aguardando uma liminar ainda este ano para bloquear os valores”, declarou Nixon Fiori, advogado do Cascavel, ao mesmo portal.

O Grêmio, por meio de seu departamento jurídico, confirma que recebeu a notificação e que tem até sexta-feira para se manifestar sobre o processo para a CNRD. No total, Bitello foi vendido por 10 milhões de euros, dos quais 70% remetem aos cofres gremistas e o restante deve ir para o Cascavel, que também divide a sua cota com empresários ligados ao negócio.

Grêmio deve vender Bitello
Bitello em sua época de Grêmio – Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Bitello iniciando bem no novo clube

Nos seus primeiros meses pelo Dínamo, Bitello já disputou 15 jogos (13 como titular), tendo marcado cinco gols e dado duas assistências. Antes, pelo Grêmio, se destacou entre as temporadas de 2022 e 2023, sendo bicampeão do Gauchão e titular durante a maior parte do tempo.

Utilizamos cookies. Aceitar Ler políticas