fbpx

Perícia contratada por Rafael Ramos contesta versão de Edenilson e diz ter identificado o que o lateral falou

Caso do jogo de sábado passado no Beira-Rio segue repercutindo com conflito de versões

Para se defender da denúncia de racismo feita por Edenilson no jogo de sábado passado no Beira-Rio, o lateral-direito do Corinthians, Rafael Ramos, contratou através dos seus advogados o Centro de Perícias de Curitiba para fazer uma análise dos vídeos da discussão e a conclusão deste trabalho de perícia é de que o português não falou “macaco”. O volante colorado, no entanto, mantém a versão de que foi alvo, sim, de injúria racial.

Segundo informações dadas pelo portal UOL Esporte, os peritos Anderson Marcondes Santana Júnior, Daniela Cristina Silva Lima Ramos Guidugli e Giovana Giroto analisaram vídeo de 28 segundos disponibilizado pelos canais Premiere e concluíram que a fala de Ramos foi “Pô, caralh…”.

Transcrição do vídeo

00:00:03.243 a 00:00:03.623 – Rafael Ramos: “Eiii…”
00:00:07.263 a 00:00:08.503 – Rafael Ramos: “Cê tá loco?!”
00:00:07.463 a 00:00:07.503 – Edenílson: “maluco!”
00:00:09.503 a 00:00:10.623 – Rafael Ramos: “Pô, caralh…!”

A defesa de Ramos ainda informa que a letra “m”, independente do idioma, sempre é falada com a junção dos lábios superior e inferior, algo que não seria visto na fala do jogador português do Corinthians.

“A palavra ‘macaco’ não consta na fala questionada, ficando comprovado que em nenhum momento houve a junção labial no início da pronúncia, com a formação da sílaba ‘ma’, conforme imagens abaixo demonstradas ‘frame a frame’ contendo informações de tempo, conforme o vídeo recebido para perícia”, diz trecho do laudo emitido.

A Polícia Civil do RS ainda aguarda laudo do Instituto Geral de Perícias (IGP), que foi chamado para fazer análise de leitura labial. A partir disso, o inquérito deverá ser concluído.

Gostou do site? Então deixe sua curtida:

Publicidade

Utilizamos cookies. Aceitar Ler políticas