O que a direção do Grêmio escutou de Di María no único momento que fez um contato oficial

Campeão da Copa do Mundo de 2022, meia atualmente defende as cores do Benfica

Publicidade

Na entrevista concedida na última segunda-feira ao jornalista Duda Garbi, a direção do Grêmio abriu o jogo sobre os rumores recentes envolvendo o meia-atacante Ángel Di María, que atualmente defende as cores do Benfica, de Portugal, com contrato até o meio do ano. Os dirigentes garantem que não há hipótese dele vir jogar na Arena e que o único contato feito foi na metade de 2023.

Na época, o Grêmio temia a saída de Suárez ainda no meio do ano e foi ao mercado para analisar nomes de impacto, que não necessariamente fossem centroavantes. Nisso, surgiu Di María. Mas, na época, o clube ouviu que o argentino só pensa em voltar à América do Sul para jogar no Rosario Central, da Argentina, que foi o primeiro time de sua carreira.

“Sobre o Di María, não tem nada. No meio da temporada passada, achamos que o Suárez sairia. Em um dia, eu entrei no CDD e falei que precisávamos um substituto para ele. Fiquei umas quatro horas lá olhando tudo. Queríamos um cara de nome, mas que entregasse tecnicamente. Na época, o Di María estava ficando livre. Fizemos contato, mas escutamos que o atleta não jogaria no Brasil e que, se voltasse, jogaria no Rosario Central. Agora, surpreende o assunto. Ele não foi oferecido para o Grêmio”, declarou Brum.

Grêmio fez o mesmo com chileno

Uma situação muito semelhante – e na mesma época – ocorreu com o atacante chileno Alexis Sánchez. O jogador estava encerrando a sua passagem pelo Olympique de Marselha, da França, quando recebeu contato do Grêmio através de intermediários. O tricolor ouviu de seu staff que não havia o interesse em jogar no Brasil. Na época, Sánchez escolheu voltar à Internazionale, de Milão.

Entre no canal do WhatsApp do Zona Mista e receba notícias do Grêmio em tempo real. (Clique Aqui)