Abel diz que não quer ser tratado como foi no Flamengo e revela se participaria de “transição” com Ramírez

Confira detalhes da coletiva de imprensa do treinador colorado após a vitória sobre o Palmeiras

Publicidade

A coletiva de imprensa do técnico Abel Braga se dividiu praticamente em duas neste sábado. De um lado, questionamentos sobre a evolução do time e a produção na importante vitória de 2×0 diante do Palmeiras, pelo Brasileirão, no Beira-Rio. Do outro, perguntas sobre o seu próprio futuro dentro do clube, que pode estar ameaçado com a chegada da gestão do novo presidente Alessandro Barcellos.

Abel, sincero como de costume, garantiu que ainda não conversou com Barcellos e pediu uma única coisa no tratamento: verdade. Nesta linha, se mostrou magoado pela forma como foi demitido do Flamengo em 2019 para a chegada de Jorge Jesus:

“Comigo é tudo muito simples. Só quero uma coisa: a verdade. E eles já estão sendo muito verdadeiros e não deixando nas costas. Eu fiz o contrato até fevereiro, que é o final do campeonato. Eu sou muito da verdade. Quem me contratou, sai agora. O que decidirem está bom. Vim servir da melhor forma este clube que eu adoro”, declarou, antes de falar do caso no Flamengo:

“Não quero que seja como no Flamengo. Tinha ganho o estadual, terminado em primeiro na fase de grupos da Libertadores depois de 11 anos, tinha ganho a Florida Cup e tinha dado um passo enorme na Copa do Brasil depois de ganhar do Corinthians fora de casa. Ia imaginar que ia ser demitido e que iam conversar com outro treinador? Eu tenho que viver o hoje, o agora. Você me pergunta o que eu vou fazer amanhã, respondo que não sei. Gostaria de responder (sobre o futuro no Inter), mas não sei”.

Miguel Ángel Ramírez é o nome preferido da nova gestão

Já admitido pelo próprio Barcellos, o treinador que o Inter busca para 2021 é o espanhol Miguel Ángel Ramírez, que anunciou na sexta-feira que está de saída do Independiente Del Valle, do Equador. Neste sábado, Abel Braga não descartou aceitar um eventual convite para participar de uma possível “transição” de comando para Ramírez no Beira-Rio:

“Eu nunca na minha carreira me coloquei um pouco no futuro, nunca. Citei o caso do Flamengo, da forma como saí. Existe uma relação forte entre eu, o clube e o torcedor. Mas eu não posso ficar vivendo do que aconteceu no passado. Como também não posso pensar hoje em uma coisa que pode passar no meu futuro. Vivo o hoje e o agora. Hoje sou treinador de futebol e amanhã vou deixar de ser. Aqui no Inter, outro lugar, fora do país. Pra fora eu sempre tenho o desejo de ir. Já aprendi isso. Não ficar lembrando e remoendo o que passou, nem imaginando pra frente. Quero ficar bem com minha família, meus amigos e comigo mesmo. Isso pra mim é o mais importante”, frisou.

No último jogo colorado do ano, Abel Braga comanda o time no domingo que vem, dia 27, fora de casa, frente ao Bahia. O Inter é o 4° colocado do Brasileirão com 44 pontos.

Entre no canal do WhatsApp do Zona Mista e receba notícias do Inter em tempo real. (Clique Aqui)