Tinga relembra o que disse para Márcio Rezende de Freitas no primeiro reencontro após 2005

Árbitro não deu o famoso pênalti no jogo diante do Corinthians no Pacaembu

Até hoje o torcedor do Inter tem bem vivo na memória o emblemático pênalti não dado em Tinga, em 2005, pelo árbitro Márcio Rezende de Freitas no duelo contra o Corinthians, no Pacaembu, pelo Brasileirão. Na época, as duas equipes lutavam ponto a ponto pelo título e uma vitória colorada naquela circunstância deixaria a conquista mais próxima do Beira-Rio.

Márcio Rezende não apenas não deu o pênalti como ainda deu o segundo amarelo para Tinga pela expulsão e o jogo terminou em 1×1 – semanas depois, o Corinthians confirmaria o título. Ao Charla Podcast, o ex-volante relembrou como foi o reencontro com o ex-árbitro anos depois em Minas Gerais:

Veja também:
1 De 6.099

“Jogo truncado no Pacaembu, recebo o passe e pênalti. Ele vem na minha direção e eu falo pra ele: ‘Tu não quer dar o pênalti, não dá, mas não me expulsa’. Mas me deu o vermelho. No vestiário, liguei para a minha mulher e ela já disse que só estavam falando do lance e nada mais do jogo. Eu encontrei com o Márcio de novo em Minas Gerais quando eu fui para o Cruzeiro. Eu brincava dizendo para uns amigos dizer para ele que eu queria pegar ele”, lembrou Tinga, antes de aprofundar:

“Até que nos encontramos uma vez, ele abriu o olho assim e eu disse: ‘Obrigado’. E ele: ‘Por que?’. E eu: ‘Se não fosse aquele assalto eu não era campeão da Libertadores’. Porque, pela forma como foi 2005, o nosso grupo se fechou ainda mais para buscar a Libertadores do outro ano”.

Tinga acredita no Inter na Libertadores de 2023

Na mesma entrevista, Tinga fez muitos elogios ao Fluminense, mas mostrou acreditar nas chances do Inter na semifinal da Libertadores que está perto de acontecer:

“Na volta, o caldeirão está garantido (risos). Quando pega dois times do Brasil… cara, o Fluminense vem jogando um futebol que seria uma quebra de paradigma você ganhar uma Libertadores jogando assim. Sou colorado, mas eu parava para ver o time do Jorge Jesus em 2019 jogar, que era o Flamengo. E hoje paro para ver o Fluminense. Mas o Inter é bicampeão e isso pesa, assim como o Boca Juniors. É o mesmo olhar que os caras precisam ter também. Fluminense está jogando para caramba, mas o Inter tem duas”, disse Tinga.

“O Inter hoje tem um pilar de vários jogadores que já jogaram Copa do Mundo. Os que não jogaram Copa estão jogando o fino da bola, que é o Vitão, o Bustos, o Alan Patrick. Poucos jogam como ele no Brasil. Na posição dele, está entre os melhores. Aí tem o Valencia no último terço sempre tendo chance, até pela velocidade que tem. Hoje o Inter tem jogadores pesados para essa competição”, ampliou.

Utilizamos cookies. Aceitar Ler políticas