Thiago Neves revela conselho a Matheus Henrique e Pepê e cita responsável por saída do Grêmio: “Encheu meu saco”

Experiente meia do Sport Recife voltou a falar da sua curtíssima passagem pelo Grêmio em 2020

Publicidade

Foram apenas 14 jogos e um único gol marcado na curtíssima, mas polêmica, passagem pelo Grêmio. Passagem essa que foi revivida por Thiago Neves em entrevista nesta semana ao comentarista Alê Oliveira, no YouTube, onde o jogador do Sport Recife admitiu não ter se sentido em casa no tricolor gaúcho em 2020.

Além disso, o meia revelou ter dado conselho para os futuros de Pepê e Matheus Henrique, disse que o então técnico Renato Portaluppi notava a sua frustração nos treinos e considerou o ex-vice de futebol Paulo Luz como o grande responsável pela sua rescisão contratual.

Conselho para Pepê e Matheus Henrique:

“Quando eu cheguei no Grêmio, o Matheusinho estava pra sair. E aí o Pepê já estava para jogar, porque o Cebolinha iria sair. Cheguei um dia e sentei com eles. E falei que me arrependia de ter saído do Fluminense em 2008 para ir pro Hamburgo. Eu tinha o City e o Atlético de Madrid. Mas aí tem a influência do empresário, uns 10 mil a mais que tu ganha (…) cheguei nos dois e falei para escolherem bem, um clube com visibilidade boa, independente de ganhar menos agora. Porque depois, lá na frente, poderiam ganhar 30 vezes mais. É uma coisa que hoje, com a cabeça que tenho, eu penso dessa maneira”

Não se sentiu em casa:

“Eu cheguei no Grêmio muito cobrado e pressionado. Fui um pedido do Renato. Já era pra eu ter ido uns dois anos antes. Não era o melhor momento do Renato no clube. Ele insistiu e a diretoria não queria muito. Quando cheguei, começaram cobrar um pedido de desculpas de uma provocação minha pelo Cruzeiro em 2017. Pedi, beleza. Mas eu nunca me senti em casa, confortável. Não em relação aos jogadores. Eram todos muito parceiros. Geromel, Maicon, Kannemann, todos. Com os jogadores, nada”

Frustração em campo:

“Eu nem jogava e a culpa era minha. E aí eu jogava e diziam que eu não aguentava mais. E aí a porrada ia pro Renato. Eu achei que seria mil maravilhas, pelo time do Grêmio, pelo jogador que eles precisavam. Tinha tudo pra dar certo. Uma pena”

Renato notou abatimento:

“Teve uma vez que o Renato chegou pra mim e perguntou: “O que está acontecendo? Você está sempre com a cara fechada, não sorri nunca”. E eu falei que estava agoniado mesmo. Que não tinha ido passear. Que queria jogar e que era pra ele me botar na fogueira. Que falassem mal de mim mesmo, azar. Não queria que só o Renato assumisse a bronca. E aí jogamos contra o Sport. Perdemos. No outro dia de manhã, me mandaram embora sem eu saber. Fui treinar à tarde e me mandaram embora”

Ex-vice Paulo Luz foi o responsável direto pela rescisão:

“O presidente sempre foi correto comigo. Um dos que me apoiou desde o início. Mas ele não estava todo dia no clube. Quem estava no dia a dia eram três. O Paulo (Luz) e mais dois. Eles viam a coisa acontecer. Não tive problemas com eles, mas se puder evitar, melhor. Tanto que quem insistiu para eu sair foi esse Paulo. Já até saiu do Grêmio. Esse que encheu o meu saco pra eu sair”

Entre no canal do WhatsApp do Zona Mista e receba notícias do Grêmio em tempo real. (Clique Aqui)