Souza cita torcida permanente pelo Grêmio, diz ter grande amigo no elenco e mantém ideia de voltar: “Seria um prazer”

Volante brasileiro de 32 anos de idade atualmente defende o Besiktas, da Turquia

Titular absoluto do Grêmio entre as temporadas de 2012 e 2013, o volante Souza atuou pouco tempo no clube e não conseguiu erguer títulos, mas, ainda assim, mantém um carinho permanente pelo tricolor. Em entrevista ao site GZH, o atual jogador do Besiktas, da Turquia, reforçou que mantém o pensamento de um dia retornar para jogar mais uma vez na Arena.

LEIA MAIS – Tom de despedida? Maicon faz novas postagens na web, e esclarece futuro como jogador do Grêmio

Souza, que tem 32 anos e contrato até maio de 2023 com o clube turco, também citou na entrevista a sua forte relação de amizade com o volante Maicon, que segue defendendo as cores do tricolor – veja as principais aspas:

Carinho e torcida pelo Grêmio:

“Tenho muito carinho com o Sul, pelo Grêmio. É um lugar onde fui muito feliz. Até hoje recebo mensagem de torcedores. Torço muito pelo Grêmio quando assisto aos jogos. Tenho três times no Brasil: Grêmio, São Paulo e Vasco. Fico muito feliz de ter jogado no Grêmio e ter representado esta camisa”

Contato recente para voltar ao Grêmio:

“Não, não existiu. O Grêmio não me procurou e não teve aproximação de ninguém do clube. É um clube que eu tenho muito carinho. Seria um prazer enorme poder representar essa camisa novamente. Depois que eu saí, o time conquistou alguns títulos. Quando eu estava aí, existia uma pressão muito grande porque o time não era campeão há muitos anos. Aí veio a Copa do Brasil, a Libertadores. Hoje o Grêmio vive um momento muito bom. Um momento que está em um cenário no Brasil onde está entre os cinco grandes que sempre briga por alguma coisa. Eu estou muito feliz por isso”

Amizade com Maicon:

“Tem o Maicon hoje no time. Eu tenho um carinho e um respeito muito grande por ele, nós jogamos juntos no São Paulo. Quando eu cheguei no São Paulo, eu tinha acabado de chegar do Grêmio. Ele me perguntou como era quando estava indo para o Sul. Ele me fez perguntas e eu disse que não tinha dúvidas de que ele iria muito bem. Eu conhecia o Maicon e via a forma como ele jogava. Ele ficava um pouco preocupado com essa questão da cultura do Grêmio, de jogador que dá carrinho, etc. Eu falei, “irmão, esquece que você vai voar lá com a qualidade que você tem”. Às vezes é assim, a gente não é reconhecido em um clube e isso não nos faz melhor ou pior que alguém. No outro a gente consegue ter o que sempre sonhou. Falei com os caras no Grêmio na época que eles estavam trazendo um grande jogador. Hoje eu fico feliz de ver ele brilhando, fazendo história e sendo capitão da equipe. Eu torço muito por ele e pelo Grêmio também”

Futuro:

“Eu estou com 32 anos. Assinei com o Besiktas um ano de contrato com mais dois anos renováveis. Meu contrato atual vai até maio de 2023. Eu queria muito poder voltar ao Brasil, mas a situação do país não é das melhores. É complicado. Na Europa a gente tem uma segurança maior. Eu tenho um projeto de vida. Estou construindo uma casa que está me custando muito então a gente acaba optando mesmo pela situação financeira. Quando a gente consegue conciliar um bom ganho financeiro, jogando em um grande clube, em uma grande cidade e jogando Champions League, o desejo hoje é de ficar no Besiktas por muitos anos. Eu quero fazer história lá. Depois, eu posso voltar com 35 ou 36 anos”

  • Clique aqui para entrar no grupo 26 para acompanhar as notícias do Grêmio.
  • Clique aqui para entrar no grupo 27 para acompanhar as notícias do Grêmio.