Ramírez explica escalação com reservas e comenta situação no Inter: “Se eu sentir que não ajudo, me vou”

Confira mais detalhes da coletiva de imprensa do treinador do Inter neste domingo

Publicidade

Após sofrer com o Inter uma goleada de 5×1 para o Fortaleza e ser bancado no cargo pela direção, o técnico Miguel Ángel Ramírez, em coletiva de imprensa no Castelão, no Ceará, pós-jogo, explicou a escalação sem alguns titulares como Cuesta, Edenilson e Taison, pediu desculpas aos torcedores e falou da sua situação no cargo – confira as principais falas:

Situação no cargo:

“Estou ao máximo, desde o primeiro dia que cheguei. Trabalhador, como não pode imaginar. Sigo trabalhando como o primeiro dia. Se em algum momento eu sentir que não ajudo o Inter… Não será em uma derrota. Se eu sentir que não ajudarei o projeto a crescer, me vou”

Titulares de fora:

“Eu tento sempre escalar os que têm a melhor condição de competir e pensei também no mata-mata. Nesse sentido foram as trocas, com exceção do Lucas Ribeiro, que foi urgência, as demais foram pensando nisso”

Jogadores entendem a ideia:

“No último jogo nós vencemos e não me perguntaram se os jogadores estão entendendo a ideia ou não. Quando ganhamos fomos superiores. Não é uma questão de que os jogadores não estão entendendo”

Desculpas à torcida:

“O primeiro que eu, como treinador, o primeiro é pedir desculpas aos torcedores. Hoje não estivemos perto de ganhar em nenhum momento. Até quando não ganhamos, estivemos perto. Hoje não”

O fator resultado:

“O resultado nubla tudo. Embaça um pouco a vista. Temos conseguido ter entendimento e evolução, mas logicamente hoje foi um retrocesso. Em nenhum momento estivemos perto de ganhar”

Utilizamos cookies. Aceitar Ler políticas