Notícias do Inter e notícias do Grêmio | Zona Mista

Roger Machado, ex-Grêmio, capricha em depoimento sobre racismo no Brasil

O duelo vencido pelo Fluminense por 2×0 sobre o Bahia, em casa, pelo Brasileirão, foi marcante. Nas casamatas, dois negros comandando as suas equipes. Marcão, pelo lado vitorioso do time carioca, e Roger Machado, pelos baianos. Em coletiva pós-jogo, o ex-Grêmio deu um verdadeiro show ao falar o que pensa sobre o racismo no Brasil.

“Com relação à campanha, não deveria chamar atenção ter repercussão grande dois treinadores negros na área técnica, depois de ser protagonistas dentro do campo. Essa é a prova que existe o preconceito, porque é algo que chama atenção. A medida que a gente tenha mais de 50% da população negra e a proporcionalidade não é igual. A gente tem que refletir e se questionar. Se não é há preconceito no Brasil, por que os negros têm o nível de escolaridade menor que o dos brancos? Por que a população carcerária, 70% dela é negra? Por que quem morre são os jovens negros no Brasil? Por que os menores salários, entre negros e brancos, são para os negros? Entre as mulheres negras e brancas, são para as negras? Por que que, entre as mulheres, quem mais morre são as mulheres negras? Há diversos tipos de preconceito. Nas conquistas pelas mulheres, por exemplo, hoje nós vemos mulheres no esporte, como você, mas quantas mulheres negras têm comentando esporte? Nós temos que nos perguntar. Se não há preconceito, qual a resposta? Para mim, nós vivemos um preconceito estrutural, institucionalizado”, questionou, antes de continuar:

“A gente precisa falar sobre isso. Precisamos sair da fase da negação. Nós negamos. “Ah, não fala sobre isso”. Porque não existe racismo no Brasil em cima do mito da democracia racial. Negar e silenciar é confirmar o racismo. Minha posição como negro na elite do futebol, é para confirmar isso. O maior preconceito que eu senti não foi de injúria. Eu sinto que há racismo quando eu vou no restaurante e só tem eu de negro. Na faculdade que eu fiz, só tinha eu de negro. Isso é a prova para mim. Mas, mesmo assim, rapidamente, quando a gente fala isso, ainda tentam dizer: “Não há racismo, está vendo? Vocês está aqui”. Não, eu sou a prova de que há racismo porque eu estou aqui”.

O último técnico do Grêmio antes de Renato Portaluppi foi exatamente Roger, que deixou um bom trabalho entre os anos de 2015 e 2016. Como atleta, o ex-zagueiro e lateral-esquerdo empilhou taças pelo tricolor na década de 90.

Estamos no Telegram e WhatsApp (Link)

    Estamos também no Telegram:
  • Clique aqui para entrar no grupo para acompanhar as notícias do Grêmio
    Estamos também no WhatsApp:
  • Clique aqui para entrar no grupo 19 para acompanhar as notícias do Grêmio.
  • Clique aqui para entrar no grupo 22 para acompanhar as notícias do Grêmio.
  • Clique aqui para entrar no grupo 23 para acompanhar as notícias do Grêmio.

Publicidade