Copa do Mundo: Messi e Mbappé travam duelo de gênios

Os dois gênios mostraram ao mundo por que o futebol é o maior esporte de todos

Publicidade

A melhor final da história da Copa do Mundo colocou frente a frente dois grandes craques do futebol mundial. De um lado, Messi, um dos melhores jogadores de todos os tempos. Do outro, Mbappé, um jovem de 23 anos que já vem assombrando o mundo do futebol. No duelo pessoal, vantagem para o francês, que marcou três gols na decisão, contra dois do argentino. Mas o que importa, afinal, é o título: e, aí, foi a vez de Lionel comemorar. Embora muitos acreditassem na vitória da Albiceleste, poucos poderiam prever tanta emoção na partida. E quem gosta de tentar adivinhar resultados pode aproveitar os palpites jogos de hoje para também dar os seus.

Messi e Mbappé mostraram que são craques à moda antiga: daqueles que aparecem no jogo quando a equipe precisa deles. Hoje, o mundo do futebol está cheio de gênios de YouTube, que podem fazer compilações e mais compilações de jogadas incríveis, mas que, quando o jogo é para valer, simplesmente desaparecem.

Suárez no Grêmio? Jornalista revela ter obtido frase importante de atual dirigente do clube

Com dois gols de Messi e um de Di Maria, pelo lado argentino, e três gols de Mbappé, pelo lado francês, a partida acabou indo para os pênaltis. E a Argentina, mais uma vez, se sobressaiu. A equipe comandada por Lionel Scaloni já havia derrotado a Holanda nas penalidades, nas quartas de final, e agora foi a vez de garantir o título dessa forma.

Os três gols de Mbappé

A França pode não ter vencido, mas Mbappé mostrou que merece o status de craque. Antes dele, apenas um jogador havia anotado três gols em uma final de Copa do Mundo (o inglês Geoff Hurst, em 1966). O feito do atacante do Paris Saint-Germain, aliás, rendeu-lhe a artilharia da competição. O francês marcou simplesmente oito gols em sete jogos. Nem a derrota francesa pode apagar as atuações incríveis de Mbappé no Mundial.

E o mesmo teria acontecido com Messi, se a derrota fosse argentina. Aos 35 anos de idade, o craque comandou a equipe dando exibições maradonianas, que mesclavam liderança técnica com liderança por atitudes. Decisivo dentro e fora de campo, ele foi o grande responsável pelo título da Argentina, que saiu de uma fila que já durava 36 anos.

Os dois gênios mostraram ao mundo por que o futebol é o maior esporte de todos, e por que povos de todos os cantos da Terra param tudo o que estiverem fazendo para ver a bola rolar. A Copa do Catar, uma das mais emocionantes da história, sem dúvidas vai deixar saudades.