Em primeira coletiva, Taison pede tempo a Ramírez, revela ligação de D’Ale e exige títulos: “Não vim a passeio”

Confira os principais detalhes da primeira coletiva de Taison em sua volta ao Internacional

Publicidade

Entre a felicidade de estar de volta à casa e o desejo manifestado várias vezes de conquistar títulos, Taison concedeu a sua primeira coletiva de imprensa na volta ao Inter pedindo tempo de trabalho ao técnico Miguel Ángel Ramírez e revelando uma ligação feita pelo amigo D’Alessandro.

Na entrevista, o atacante de 33 anos – que terá contrato até dezembro de 2023 – ressaltou o quanto vê o elenco colorado como “forte” e ressaltou que teve outras propostas, mas que a cabeça já estava no Inter. Veja as suas principais aspas:

Qual Taison está voltando ao Inter:

“Taison quando saiu daqui, saiu com 22 anos. Campeão da Libertadores, Sul-Americana, Gauchão invicto. Volto mais experiente. Estive na Copa. Mais de 300 jogos pelo Shakthar, capitão. Joguei Champions League, Liga Europa. Mas agora é uma nova história. Volto para o clube que eu amo. Agradeço aos torcedores que tiveram a paciência de me esperar. Todo ano tinha essa novela. Volto para ajudar os mais jovens, assim como Bolívar, D’Alessandro e outros me ajudaram. Volto feliz, bem condicionado e à disposição de todos para conversar. Volto para conquistar coisas grandes”

Trabalho e títulos:

“Não vim aqui a passeio, pra brincar. Vim pra trabalhar e pra demonstrar todo o esforço que fizeram para a minha volta. Feliz por vestir essa camisa. Essa camisa que me fez chegar a coisas distantes do que eu sonhei. Eu só queria jogar no Beira-Rio. E fui pra Europa, conquistei coisas lá. Eu não tenho nem palavras pra explicar a gratidão que tenho pelo clube”

FALTA DE CONQUISTAS DO INTER NOS ÚLTIMOS ANOS:

“Está certo que é o trabalho de vocês, mas vocês às vezes… o Inter disputou Copa do Brasil no outro ano, e no ano passado lutou até a última rodada pelo Brasileirão. O grupo é muito forte, tem jogadores muito bons. Tem uma comissão técnica que precisa de tempo. Não é assim pra se adaptar ao Brasil. Vim para ajudar e para ser ajudado. Não sei de tudo. Estou aberto para conversar e para receber tudo o que tem para ser colocado. Quero que seja um ano maravilhoso para nós e para a nossa torcida”

O QUE É SER COLORADO:

“Ser colorado é conquistar. A torcida quer título, os jogadores também, a direção também. O grupo é forte, cara. A gente precisa ganhar. É isso que a gente vai fazer. Primeiro, tem que merecer. Isso não vem de um dia para o outro. O grupo está muito focado. A estreia da Libertadores já passou. Vamos esquecer. Pensar no Esportivo amanhã e na terça no segundo jogo da Libertadores. Pretendo conversar com todos os jogadores para passar a minha visão de ser colorado. Vamos fechar ainda mais esse grupo que já é forte”

QUANDO ESTREIA:

“A minha escalação não depende de mim. O treinador vai decidir se jogo na terça ou na próxima. Mas estou à disposição dele e da comissão técnica. Quero jogar logo. A minha vontade é ajudar os companheiros e quero que seja logo”

FUNÇÕES DO ATAQUE:

“Me sinto bem em qualquer uma das funções do ataque. Ou por dentro ou pelo lado do campo. Isso depende mais do treinador do que de mim. Onde me colocar eu vou ajudar ele e o grupo de jogadores”

LIGAÇÃO DE D’ALESSANDRO:

“D’Alessandro me ligou, me deu os parabéns pela volta ao clube. Pedi a permissão dele pra usar a 10. Camiseta que ele ganhou tantas coisas aqui, e ele liberou. Estou muito feliz de estar aqui e por estar voltando ao meu clube. Quero dar alegrias à torcida. Foi difícil a minha vinda. O povo da Ucrânia é complicado em negociações. Mas cheguei, estou aqui e vou brigar pelo meu espaço”

D’ALESSANDRO E FERNANDÃO:

“Não me coloco como D’Alessandro e Fernandão. O Fernando deu o Mundo pro Inter. O D’Ale ganhou tantas coisas também. Mas eu volto pra conquistar coisas. Saí daqui campeão, mas agora começo do zero. Não quero sair daqui sem vencer. Vim para ser campeão e para brigar por títulos. Não estou sozinho. Temos um grupo forte e eles vão me ajudar a ganhar grandes coisas”

PROPOSTAS

“Tive sim. Tive propostas de outros clubes da Europa. Tive proposta para renovar com o Shakhtar. Mas a minha cabeça estava totalmente voltada para o Inter e era isso que eu queria fazer”

Utilizamos cookies. Aceitar Ler políticas