Em clima de despedida, Rodrigo Caetano revela se deixa renovações e contratações alinhavadas para o Inter

Executivo de futebol colorado não deve seguir no clube para a temporada de 2021

Publicidade

Com contrato somente até dia 31 de dezembro, o executivo de futebol Rodrigo Caetano vai vivendo os seus últimos dias de Inter, uma vez que os dois candidatos à presidência não fizeram contato e já admitiram que mantiveram conversas com outros profissionais da mesma função – na terça, dia 15, Alessandro Barcellos e José Aquino Flôres de Camargo disputam o voto do associado.

Caetano, neste sábado, voltou a dar entrevista coletiva depois da vitória de 2×1 sobre o Botafogo, no Beira-Rio, pelo Brasileirão, informando que está preparando um “relatório” para apresentar à nova gestão e que não há, neste momento, sob sua supervisão, nenhuma contratação encaminhada para 2021:

“Estou preparando um relatório, que é a minha obrigação. Um procedimento que minimamente eu tenho que transcrever as informações que ocorreram e também o que existe alinhavado para o próximo ano. Lembrando que qualquer contratação só pode ocorrer ao final do Brasileirão. Nós, na verdade, corremos mais risco de perder atletas na janela de saída que se abre do que contratar jogadores”, declarou.

O executivo também foi perguntado sobre renovações e reforçou que os casos de Musto e Saravia ainda seguem indefinidos com Huesca e Porto, respectivamente:

“Sobre renovações, nós temos a situação de dois atletas. O D’Ale fez a sua opção pessoal de não seguir no clube. E tem os casos do Musto e do Saravia. O Saravia lesionado há bastante tempo. Vínhamos conversando com seus respectivos clubes e até o presente momento não temos essa definição. Certamente, caso eu não permaneça, estaria dividindo essa tarefa com a nova gestão. Os demais jogadores estão sob contrato”, concluiu.

Confira outras declarações da coletiva de Caetano:

“Eu nunca projetei sair do Inter. Mas pelas últimas semanas, é algo que tem se desenhado. Vou esperar os próximos passos do clube no processo eleitoral”
.
“A ideia sempre foi de continuar no Inter. Eu defendo essa tese. Mas eu sou um profissional de mercado. Não fiz nenhum movimento até agora para esperar as eleição para o clube tomar essas decisões”
.
“Por mais que seja indicada a minha saída, ainda tenho contrato e isso pra mim faz toda diferença. No momento certo posso fazer uma retrospectiva. Um executivo de futebol faz muito mais do que apenas contratar”
.
“Se não disputar o título, pelo menos o G4. Um clube do tamanho do Inter tem que estar sempre disputando as grandes competições”
.
“A nossa missão é entregar o Inter em condição de seguir a busca pelo título brasileiro. Queríamos entregar na Copa do Brasil e na Libertadores, mas fomos eliminados naquilo que faz parte do jogo”
.
“Tenho contato até o dia 31. Vou liderar o departamento de futebol com o mesmo nível de profissionalismo que tive até hoje. Caso algum dos candidatos opte pela permanência, vamos conversar. Caso não, vou ajudar da melhor forma na transição”

Utilizamos cookies. Aceitar Ler políticas