Dourado como zagueiro, Patrick na direita e o “5” do futuro: mais explicações táticas de Ramírez no Inter

Treinador fez muitos elogios ao jovem volante Johnny, pouco utilizado até o momento por ele

Para dar um descanso a Zé Gabriel, tendo em vista o jogo de terça em casa contra o Táchira, pela Libertadores, o técnico Miguel Ángel Ramírez o retirou no segundo tempo da vitória do Inter de 5×0 sobre o Esportivo, pelo Gauchão, no Beira-Rio, lançando Rodrigo Dourado na zaga. Mas a opção foi apenas momentânea e, não, o espanhol não tem planos de fixá-lo o volante mais atrás.

Dourado, aliás, marcou o seu gol na goleada – assim como Zé Gabriel, que abriu a vitória pela rodada final da primeira fase do Gauchão. O capitão volta à posição de origem na próxima terça, às 21h30.

Veja também:
1 De 6.114

“Foi Dourado porque não tínhamos outro. Estávamos sem Víctor Cuesta e Lucas. Era importante que o Zé Gabriel não jogasse o jogo todo, porque tinha jogado muitos minutos ultimamente. Dourado treinou comigo ali, porque sabe fazer. Mas não foi pensando no futuro, foi para descansar Zé Gabriel”, explicou o técnico.

Patrick na direita

Assim como já havia ocorrido na goleada de 6×1 sobre o Aimoré, fora, igualmente pelo Gauchão, Patrick mais uma vez atuou parte da partida pelo lado direito, algo pouco comum em sua carreira até aqui. Ramírez, na coletiva, deu longa explicação sobre o uso do jogador e deixou claro que ainda está procurando a melhor forma de utilizá-lo.

“Neste nosso esquema, Patrick é ponta. Concordamos com isso. Ele precisa de espaço. Nossos meias me dão muitas opções. Boschilia e Taison estão chegando e podem jogar por dentro também. Ele tem maior dificuldade no espaço curto. Patrick tem muitas bolas perdidas quando atua pelo meio. Quanto mais espaço ele tem, mais perigoso ele fica. Ele não deve se sentir preso a um sistema tático. Mas não é um processo de hoje pra amanhã. De um mês para o outro. É um processo. Pouco a pouco vai melhorar”, contou Ramírez, antes de garantir que a sua ausência na Bolívia, contra o Always Ready, foi por questão puramente tática:

“Ele não entrou na Bolívia por questão tática. Pensei em uma equipe sem pontas no segundo tempo. Resolvemos jogar com dois centroavantes. Só por isso”.

Patrick tenta recuperar o protagonismo no Inter de Ramírez – Foto: Divulgação/Inter

Johnny é volante para “muitos anos” de Inter

Apesar de não estar ganhando minutos em campo até agora, Johnny vem enchendo os olhos de Miguel Ángel Ramírez nos treinamentos. Tanto é que o espanhol vê totais condições do volante ser o dono da camisa 5 colorada “por muitos anos”:

“Dourado, Lindoso e Johnny podem fazer a posição de 5. Logicamente, Johnny acaba de chegar da seleção. Dourado e Lindoso partem com certa vantagem, mas Johnny é o futuro 5 do Internacional. Estamos trabalhando para que seja o primeiro volante do Inter por muitos anos. Johnny tem muitas condições para ser o primeiro volante. E o que é melhor para ele do que ter Dourado e Lindoso no dia a dia? Estão aprendendo perfeitamente. A partida de Lindoso hoje é de 10”, concluiu.

Na semifinal do Gauchão, com vantagem de fazer a segunda partida em casa, o Inter encara o Juventude. A outra “perna” tem Grêmio x Caxias. Veja a íntegra da coletiva de M.A.R neste sábado:

Utilizamos cookies. Aceitar Ler políticas