Alan Ruschel admite falta de profissionalismo em passagem pelo Inter: “Não tenho vergonha de falar”

Hoje líder do elenco do Juventude, lateral-esquerdo relembrou os anos de 2014 e 2015

Ainda novato no futebol, com apenas 24 anos à época, Alan Ruschel se deixou levar pelos excessos – especialmente os noturnos – e não conseguiu se firmar no Inter como gostaria entre as temporadas de 2014 e 2015. Esta foi a análise do próprio lateral-esquerdo, que hoje é um dos líderes do elenco do Juventude e gravou uma entrevista com o seu antigo colega de Beira-Rio, Andrés D’Alessandro, na “Dale TV”.

“Se eu tivesse a maturidade que tenho hoje e a cabeça que tenho hoje, minha passagem teria sido diferente. Uso a passagem no Inter como aprendizado. Lá é o lugar que qualquer atleta quer chegar. Nível de time de Série A, gigante no cenário mundial”, contou Alan Ruschel, antes de acrescentar:

Veja também:
1 De 6.113

“Mas eu não aproveitei o clube e a oportunidade que eu tive. Não tenho vergonha de falar. Acho que acabei me deslumbrando por ter ido para um clube deste nível e fiquei satisfeito só com aquilo ali. Mas poderia querer algo a mais. Me deslumbrei com noite, saí um pouco, não fui um cara extremamente profissional como deveria ser”.

Concorrência era pesada, lembra Alan Ruschel

Em 2014, com Abel Braga no comando, Alan Ruschel também sofreu com a concorrência de Fabrício, que era o titular absoluto da posição e raramente ficava fora de algum jogo. No ano seguinte, com Diego Aguirre na casamata, as chances igualmente foram raras:

“Não usei a chance que eu tive no Inter da maneira correta. Se eu tivesse o profissionalismo de hoje, a minha vida em time grande, como o Inter, seria muito melhor. Na época, também deixava acontecer a influência de empresários, até porque eu tinha 24 anos. Só que eu cheguei bem no clube. Mas o Fabrício, que era o titular, acho que fez o melhor ano dele em 2014. Aí o Fabrício me deu poucas oportunidades de jogar”, contou, para depois finalizar:

“Em 2015, quando deu aquele episódio dele, o Geferson jogou mais e passou na frente. Na época, o Aguirre me via mais como meia do que lateral. Só que aí eu tinha que disputar posição com Alex, Jorge Henrique, Valdívia, às vezes até Nilmar. Como disputar com eles?”.

A entrevista de Alan Ruschel na “Dale TV”

LEIA MAIS:

Utilizamos cookies. Aceitar Ler políticas